4.5.10


Naqueles lençóis encontramo-nos na ínfima atmosfera do desejo
Cativamos de novo a paixão outrora perdida nas palavras crueis
Respiramos o calmo e abafado grito de saudade
Perdemos os sentidos e renascemos como um só
Olhei-te e deixei-te repousar
Abandonei o meu corpo e repousei a minha alma
Na bela e doce, tua alma...
Até dizeres adeus e me deixares perdida nesta imensidão de confusos sentimentos

Saíram tantas pequenas palavrinhas de ti
Pequenas palavrinhas sem absolutamente nenhum significado
Pequenas e soltas palavrinhas gemendo perdão
Um perdão frio
Incerto e mentiroso.
Erras-te de novo.
Não respeitas-te a tua própria promessa.