2.7.10

Passado, mas que passado.

Eras tudo para mim. Não via um futuro sem que esse futuro te incluísse. Durante tanto tempo mantive a esperança que voltarias, que voltaríamos a ser um só. Durante muito e talvez demasiado tempo foste a minha luz e a única razão para que nunca desistisse de mim mesma. Fui cega durante todo esse longo período, acreditei em todas as tuas pequenas mentiras, aguentei todo o teu desdém, feriste-me e mantive-me sempre perto de ti, rejeitaste-me e permaneci à tua disposição, como uma prisioneira, não me obrigas-te mas conquistas-te todas as linhas do meu corpo e assim te tornaste uma carência minha, uma alma da qual me era insuportável renunciar, um vício tão bom que acabou por se tornar numa queda dolorosa. Deixei-me levar pelas memórias, que mantinha guardadas dos tempos em que toda a nossa história era tão própria, dos tempos em que estávamos tão loucamente apaixonados que até nos julgávamos com coragem de fugir, dos tempos em que era verdadeira e genuinamente feliz. Deixei-me levar pelos beijos que me davas ao espírito do vento e das carícias que espalhavas. Deixei-me levar pela sensação de afecto e sinceridade que me oferecias e fui caindo aos poucos e poucos pelas ruas, fui-me degradando até nada restar, até tudo te pertencer e não conseguir ter força para seguir por mim, sem pensar na tua opinião ou se te afectaria. Mesmo me tendo atirado para um canto como que se a sua boneca estivesse estragada, fora de uso, depois de secar as lágrimas, fechava os olhos e sonhava com um amanhã melhor a teu lado, todos os dias. Fui assistindo a tudo de boca cerrada, sentada num canto na esperança que uma luz se irradiasse em mim e ao me olhares, recordasses que já tínhamos sido algo único. Depois de longas noites ouvindo-te a dar falsas expectativas agis-te e por um dia tive-te para mim, tive a minha verdadeira alegria de volta, por um dia idealizei que nada tinha mudado, por um dia foste meu e eu fui tua, como antes tínhamos sido, tão apaixonados e ansiosos por mais dias como aquele. Porém foi só um dia, do qual não me arrependo nem por um segundo, mas um dia não chegou para curar a dor que ainda guiava dentro de mim, não bastou para te sentir. Foi a partir desse magnífico dia que partis-te, para longe de mim e desde aí nunca mais te tive, nunca mais senti o teu amor, nunca mais senti a verdade, nunca mais consegui confiar no que me dizias, pois me apercebi que não deverias agir assim se eu fosse quem mais desejavas, não deveria ser assim que devias agir com a pessoa que mais amavas, não devia! Eu caí por ti e ainda não me consegui levantar. Caí no momento em que abates-te o futuro no qual tanto sonhava. Há pouco tempo ainda julgava ver um resto de sentimento teu por mim, mas foi uma ilusão. Afinal acabou. Já nada resta, amor, carinho, amizade, pena… nada! Deixas-te de sentir. Agora não te preocupas comigo. Agora não me dás uma única palavra de afecto e desejo. Agora esqueces que existo vezes sem conta. Agora mentes-me e mentes-me novamente. Agora julgas-me parva e dono de tudo pois fazes o que queres e dizes o que queres sem pensar que eu estou deste lado e ainda te amo! Agora já não sei quem és. Agora desapareces-te. Já não sentes a mesma necessidade que eu em te tocar, em te beijar. Agora já não sentes a mágoa que sentias quando vias que me estavas a perder. Agora já não pedes desculpa até doer o coração de tanto tentar me ter de volta. . Agora sim deixaste-me e apenas te peço para dizeres que acabou. 

7 comentários:

suellen cristina disse...

:O
é incrível o modo como escreve... só de ler, já consigo sentir, o que queres passar!
Adoro ler seus texto !
Força Ann (:

Wisaa' disse...

WOW!
Adorei mesmo este textão *.*

Daniela Duarte disse...

que texto tão lindo. já passei pelo mesmo e é horrivel! força querida :)

JoanaMacedo disse...

"Foi a partir desse magnífico dia que partis-te, para longe de mim e desde aí nunca mais te tive, nunca mais senti o teu amor, nunca mais senti a verdade, nunca mais consegui confiar no que me dizias, pois me apercebi que não deverias agir assim se eu fosse quem mais desejavas, não deveria ser assim que devias agir com a pessoa que mais amavas, não devia! Então porque o fizes-te? Porque ainda o fazes? Eu caí por ti e ainda não me consegui levantar. Caí no momento em que abates-te o futuro no qual tanto sonhava."
ai peqenina, até doi!
e escreves tão bem!

rita disse...

escreves TÃO bem, em cada palavra sente-se essa grande paixão que tens.
beijinho :)

- ana silva . disse...

deixaste-me a chorar com tudo isto. aquilo que expressas neste texto ( que está simplesmente lindo! ) é exactamente aquilo que estou a passar.
adorei, mesmo !

Márcia Pais disse...

Acredita que nao exagerei em nada... Olha qe devias dar mais valor aos teus textos.. porque a verdade é que tens talento pa escrever..!

Obrigada por todos os elogios. Tens sido uma Querida :)

**